Prazo para empresas enviarem declaração ao Fisco termina hoje

Adriana Aguilar      29/06/2012

No ultimo dia útil do primeiro semestre (29 de junho), hoje, encerra o prazo para o envio Declaração de Informações Econômico-fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), de 2012, à Receita Federal.

De 2007 para cá, a Receita Federal tem estabelecido prazos para o envio de informações, via web, por meio do Sistema Público de Escrituração Digital, conhecido pela sigla Sped, para empresas com tributação do Imposto de Renda com base no lucro real. Dentre as etapas estabelecidas, já houve o Sped Contábil, Sped Fiscal (IPI e ICMS) e Sped Contribuições (PIS e Cofins) e, por enquanto, aguarda-se o Sped Social (folha de pagamento das empresas).

Nas empresas, o maior número de informações enviadas em ambiente eletrônico exige servidores mais potentes, tecnologia e softwares de alto nível, além de mão de obra especializada que está escassa. Quando digitalizados, os dados das empresas podem ser acessados pelo fisco federal e também estadual. As informações estão disponíveis nas diferentes instâncias hierárquicas.

No caso da declaração DIPJ, é necessário muito cuidado no levantamento de dados e no preenchimento da declaração, especialmente no que se refere a itens como, por exemplo, o das diferenças entre a contabilidade fiscal e a societária decorrentes da implantação do IFRS (International Financial Reporting Standards) e RTT (Regime Tributário de Transição). Outro ponto que requer cautela é o do lançamento de “outros custos e despesas” nos campos/linhas corretos, para evitar questionamentos pelo Fisco, explica o diretor de Tecnologia da Thomson Reuters Brasil, Marcos Bregantim.

Além disso, as empresas ainda devem verificar atentamente se estão utilizando todos os benefícios e incentivos fiscais previstos em lei, como inovação tecnológica e bônus por adimplência fiscal, por exemplo.

O grande entrave das informações enviadas por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) é a qualidade dos dados fornecidos pelas empresas ao Fisco. Na maior parte dos casos, as informações apresentam divergências. No primeiro semestre de 2012, profissionais da área estimavam que 98% dos dados enviados pelas empresas à Receita Federal, em ambiente eletrônico, por meio do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), não seguiram as regras do manual da Receita Federal ou apresentam algum tipo de divergência tributária no cálculo do imposto. Por isso, cada vez mais, as empresas devem investir em sistemas de controle de gestão fiscal.

No mercado, há vários sistemas de controle de gestão fiscal. Um deles é a solução Mastersaf DW e Mastersaf GF, da empresa Thomson Reuters, com sede em Nova York e com operações em mais de 100 países.

Na prática, uma empresa gasta em média menos de 5% de sua receita bruta com a implementação das soluções Mastersaf DW e Mastersaf GF, que conseguem atender quase a totalidade do escopo da legislação tributária federal, estadual e municipal, afirma o diretor de Tecnologia da Thomson Reuters Brasil,Marcos Bregantim.

A Thomson Reuters Brasil informa que mais de 1 mil grupos econômicos nacionais já tem essas soluções, o que equivale a mais de 5 mil CNPJs. Dentre essas empresas, há companhias de todo porte, inclusive uma boa parte das 500 maiores empresas brasileiras. Todos os setores são atendidos (indústria, serviços e comércio), com forte presença em segmentos como, por exemplo, óleo e gás, comércio, telecomunicações e setor automotivo.

Outros textos:

Planejamento evita riscos do financiamento

Pesquisa Mundial sobre custo de vida 2012

Sem reservas, idosos sofrem com exaustão financeira

Aumenta a inadimplência entre idosos com empréstimos

A loteria é uma péssima aposta para milhões de pessoas

Prazo para doações vai até o final de abril

Loterias estimulam a poupança mensal?

Pesquise a melhor aplicação para o seu dinheiro

Chocolate tem o maior imposto entre os alimentos

Jogo Goumi leva educação financeira às escolas

Bancos públicos oferecem microcrédito para trazer empreendedores ao sistema formal de crédito

Bancos enviam agentes às comunidades

Quanto custa educar o filho?

10 sinais dos consumidores compulsivos

5 armadilhas mentais que devem ser evitadas durante a renegociação da dívida

Classes A e B evitam exposição das dívidas acumuladas em acordos coletivos

Superendividados contam com assistência jurídica gratuita para redução das dívidas

De onde virá o dinheiro para a aposentadoria?

Quando comprar ou alugar…

A Thomson Reuters informa que mais de 1 mil grupos econômicos nacionais já tem essas soluções, o que equivale a mais de 5 mil CNPJs. Dentre essas empresas, há companhias de todo porte, inclusive uma boa parte das 500 maiores empresas brasileiras. Todos os setores são atendidos (indústria, serviços e comércio), com forte presença em segmentos como, por exemplo, óleo e gás, comércio, telecomunicações e setor automotivo.

 

Envie por e-mail

 

Deixe um comentário