Preço elevado do etanol favorece ações do setor

Adriana Aguilar      19/10/2009

performanceAçucarAlcool

Depois de subir pela sexta semana consecutiva, o alto preço do etanol sopra a favor da recuperação das margens das companhias de açúcar e álcool nos próximos trimestres. Com isso, a estimativa para 2010 é que as ações do setor, como Cosan, Açúcar Guarani e São Martinho, apresentem alta performance, segundo o relatório divulgado pela corretora Bradesco em 19 de outubro deste ano (veja o preço alvo na tabela acima).

Há a expectativa de que a margem EBTIDA (medida de geração de caixa para determinado período) das empresas do setor aumente para cerca de 25% a 30%, diz o relatório, impulsionando as ações ordinárias da Cosan, Açúcar Guarani e São Martinho.

Quando comparada ao açúcar, o etanol ainda está com desconto elevado (geralmente é negociado em cerca de 90% do preço do açúcar). Segundo a corretora Bradesco, a estimativa é de que o álcool anidro esteja sendo negociado a 75,6% do preço do açúcar NY11 e a 68,2% do álcool hidratado.

Os atuais percentuais representam uma melhoria significativa em relação a julho e agosto último, período no qual o etanol era negociado com aproximadamente 45% a 50% de desconto em relação aos preços do açúcar NY11.

“Não há a expectativa de que o etanol alcance 90% do preço do açúcar NY11, próximo da máxima histórica. Além disso, o valor do etanol é limitado a 70% do preço da gasolina na bomba”, consta no relatório.

A pesquisadora da área Sucroalcooleira do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Universidade de São Paulo (USP), Mirian Bacchi, explica que o aumento do preço do açúcar está relacionado à diminuição da oferta no mundo. O álcool etanol é um derivado do açúcar – uma importante variável no preço da combustível. Só no primeiro semestre deste ano, a valorização do açúcar ficou na casa dos 40% da BM&FBovespa.

Há a expectativa de aumento de produção do açúcar entre 12,5% e 18,5% para a safra deste ano no Brasil. Mesmo assim, o preço continua elevado porque a Índia está produzindo menos, depois de realocar suas terras para outros produtos. Devido à redução da oferta mundial, as exportações de açúcar do Brasil aumentaram de 2% a 23%, afirma a pesquisadora e professora da USP.

Em 2007 e 2008, o açúcar registrou os menores preços e, neste ano, quase dobrou. “Agora, os preços estão 55% maiores do que a média de abril e agosto de 2008”, explica Bacchi.

Para se ter uma idéia, a média do preço da saca de açúcar, de abril a agosto deste ano, ficou em torno de R$ 43,00 no mercado à vista, enquanto que, no mesmo período de 2008, estava em R$ 28,00 por saca. “Os preços dos contratos futuros do açúcar na bolsa de Nova York continuam elevados até julho de 2011, levando em conta a média histórica”, diz Bacchi.

 

Envie por e-mail

 

Deixe um comentário