Corretoras indicam ações para setembro/2014

Adriana Aguilar      08/09/2014

Em setembro, as ações Petrobras PN (PETR4), Vale PNA (VALE 5) e Itaú Unibanco PN (ITUB4) foram as mais mencionados nas carteiras das nove corretoras consultadas.

set14-parte1
set14-parte2
set14-parte3

 

 

No Brasil, 40% dos adultos estão endividados

Adriana Aguilar      04/09/2014

devedoresCerca de 40% da população brasileira, a partir dos 18 anos, tem dívidas com bancos ou lojas, por meio de carnês, segundo levantamento da Serasa Experian. O País tem 144 milhões de pessoas com 18 anos ou mais. Ao analisar o total de devedores, em todas as faixas de idade, 60% apresentam contas mensais superiores ao salário do mês. E 53% do total acumulam até duas dívidas não pagas.

O Brasil tem registrado aumento crescente no número de devedores. Em agosto de 2014, do total de 200 milhões de brasileiros, 57 milhões apresentavam dívidas. Em agosto de 2013, foram registrados 55 milhões de devedores. Em agosto de 2012, eram 52 milhões brasileiros envidados.

De acordo com os especialistas da Serasa Experian, o aumento do número de inadimplentes deve-se ao crescente endividamento das famílias e ao descontrole do consumidor ao assumir novos financiamentos, sem considerar as contas fixas mensais e outras dívidas já contraídas.

Parcelamento de compras com juros altos (como de imóveis e carros), bem como as altas taxas cobradas pelo uso do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito, também são fatores que comprometem o orçamento e ajudam a levar as famílias para o caminho da inadimplência.

“Pelo lado do credor, verifica-se a falta de informação sobre o real nível de endividamento das pessoas. As empresas devem se cercar de ferramentas que reduzam o risco na hora da concessão de crédito”, diz o superintendente de Informações sobre Consumidores da Serasa Experian, Vander Nagata. “O patamar da inadimplência poderia ser superior, mas a evolução da renda e o desemprego baixo estão atenuando este cenário. A situação exige acompanhamento com atenção dobrada”, completa Nagata.

Saiba mais:

Quase 25 milhões de trabalhadores estão sem cobertura da Previdência Social

Idosos são maioria entre inadimplentes

Dívida atrasadas aumentam

Protestos, jogos e feriados… Prejuízo para a economia vai ultrapassar os R$ 45,5 bilhões

Brasil tem maior carga tributária entre BRICS

13º salário é usado para o pagamento de dívidas

Aumentam os juros das linhas de crédito para pessoa física

Consumidor ignora taxa e imposto ao usar cartão de crédito

 

 

Corretora indicam ações para agosto/2014

Adriana Aguilar      03/09/2014

ago14-parte1
ago14-parte2
ago14-parte3

 

 

Taxa de juro cai quase 20% em uma década

Adriana Aguilar      15/08/2014

Em uma década, a taxa de juro para pessoa física passou de 62,4% ao ano, calculada em junho de 2004, para 43,0% ao ano, em junho de 2014. A redução do juro, em 10 anos, atingiu 19,4%. O levantamento foi feito pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

“Só não está mais baixa porque, a partir de abril de 2014, o Banco Central iniciou a elevação da taxa básica de juro (Selic) por conta da piora do cenário econômico (inflação mais elevada, juros maiores e crescimento econômico baixo). Devido ao maior risco de inadimplência, a taxa de juro para pessoa física está subindo acima da Selic”, explica o vice presidente da Anefac, Miguel Ribeiro Oliveira. “Ainda há um enorme espaço para novas reduções, quando melhorar a situação econômica”, completa.

O fato é que a taxa de juro vem caindo de forma consistente, ainda que lentamente, ao longo dos 10 anos. Segundo o vice-presidente da Anefac, a taxa de juro menor praticada em alguns segmentos, como crédito consignado, crédito imobiliário e financiamento de veículos, forçaram para baixo a taxa média de juros para a pessoa física.

Já para as empresas, a taxa de juro passou de 29,7% em junho de 2004 para 22,6% em junho de 2014. Em uma década, a queda foi de 7,1% na taxa de juro para a pessoa jurídica.

“Parece pouco esta queda de 7,1%. De fato até é. Mas, melhoramos muito nos últimos anos. A queda só não foi maior porque, do ano passado para cá, com o aumento da Selic, as taxas de juros voltaram a ser elevadas”, diz Oliveira.

O levantamento feito pela Anefac mostra que os bancos vêm repassando quedas nas taxas de juros das operações de crédito em patamares superiores à queda do custo de sua captação que foi de 1% na pessoa jurídica e 13,7% , na pessoa física.

Saiba mais:

Dívidas atrasadas aumentam em 2014

Brasil tem maior carga tributária entre BRICS

13º salário é usado para o pagamento de dívidas

Aumentam os juros das linhas de crédito para pessoa física

Consumidor ignora taxa e imposto ao usar cartão de crédito

 

 

Corretoras indicam ações para julho/2014

Adriana Aguilar      09/07/2014



 

 

« Textos anteriores |